sexta-feira, março 17, 2006

Considerações acerca da exortação

Segundo o dicionário a palavra exortar significa além de admoestar e advertir, animar e encorajar com palavras.

Paulo no versículo 11 do capítulo 5 em sua primeira carta aos Tessalonicensses correlaciona a exortação à edificação, isto é, a exortação deve redundar na edificação. “Pelo que exortai-vos uns aos outros e edificai-vos uns aos outros, como na verdade o estais fazendo” IITs. 5:11.

O ato de exortar, bem como todas as nossas atitudes, deve estar subjugado às virtudes do espírito: “Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei.” Gl. 5:22-23.

“Prega a palavra, insta a tempo e fora de tempo, admoesta, repreende, exorta, com toda longanimidade e ensino.” IITm. 4:2. Paulo incumbe Timóteo e a nós, a exortar com longanimidade, ou seja, com paciência, bondade, amor e ensino.

As lideranças, autoridades e os cristãos de uma forma geral devem estar consolidados nestes princípios quando praticar a exortação. Jamais deve-se exortar exaltado, e sim com amor e temperança, ciente de que o faz com a finalidade de edificar ao próximo, atentando para que não o distancie, mas o aproxime da igreja como corpo de Cristo. Aliás, Cristo é o nosso maior exemplo, e é Nele que devemos nos basear no desenvolvimento de nossos ministérios.

:: Marcelo Faria, 2006::

quarta-feira, março 15, 2006

Jovens do Senhor

Irresponsáveis, inconseqüentes, vivendo segundo o mundo é a imagem que contemplamos quando olhamos para uma boa parte dos jovens que freqüentam as igrejas.Mostram através de seus atos, que são desprovidos de compromisso com o Senhor e nos passam a idéia de imunidade às leis ditadas pelo Deus Vivo; nas quais devemos pautar nosso viver.Agem segundo os desígnios de seus corações, como se estivessem cobertos por um estatuto semelhante ao do menor (Estatuto do Menor) e, assim intocáveis pela mão do Eterno.
É fato que esta forma de vida escolhida por muitos é errada, ela procede do coração do maligno e é disseminada entre os nossos jovens. O Senhor chama-nos a atenção para uma vida de santidade. E nos alerta quanto ao pecado.

Quando o jovem é responsável espiritualmente pela sua vida?
A partir do momento em que sabem discernir entre o certo e o errado, entre fazer a vontade do Senhor ou não. E tornam-se indesculpáveis, responsáveis pelos seus atos maus e por eles, se não houver o arrependimento, hão de responder no julgamento final. Alguns aspectos que devem ser observados pelos servos em sua juventude:

VIVER EM SANTIDADE
“Como pode um jovem conservar pura a sua vida? É só obedecer aos teus mandamentos.” Sl 119.9
Isto implica em procurar viver segundo o Senhor:
§ Sendo nova criatura: 2 Co 5.17
§ Em oração: Lc 22.40; 1Ts 5.17; Tg 5.16
§ Em Jejuns: Mt 6.16,18;
§ Em Louvor: Sl 9.1; Rm 15.11
§ Sendo bom: Mt 5.7
§ Sendo humildes: Mt 5.3
§ Honrando os pais: Ex 20.12; Pv 30.17; 6.20; Mt 15.4

POSSUINDO AUTOCONTROLE / PACIÊNCIA
“E é bom que as pessoas aprendam a sofrer com paciência desde a sua juventude.” Lm 3.27
Nesta terra seremos:
§ Afligidos: Jo 16.33
§ Perseguidos: Mt 5.10,11
§ Difamados: 1Pe 4.4

EXEMPLO / PADRÃO
“Ninguém despreze a tua mocidade; pelo contrário, para os que crêem , seja exemplo na conversa, na conduta, no amor, na fé e pureza.” 1 Tm 4.12
O testemunho deve ser contínuo, santos sempre:
§ Na escola / Amigos: Tt 2.12
§ No falar: Tt 2.8; 3.2,9
§ No trabalho: Tt 2.9,10
§ No namoro: Dt 7.3,4; 2C0 6.14
§ Obedientes: Tt 3.1; Dt 30.2; Pv 1.8,9; 6,20; Ef 6.1
§ Vitoriosos: 1Jo 2.13,14
§ Tementes a Deus: Pv 24.21
§ Honrando os idosos: 1 Pe 5.5

NÃO SERÃO ISENTADOS DO PECADO
“Jovem, aproveite a sua mocidade e seja feliz enquanto é moço. Faça tudo o que quiser e siga os desejos do seu coração. Mas lembre-se de uma coisa: Deus o julgará por tudo o que você fizer.” Ec 11.9
Nestas palavras o Senhor concede plena liberdade ao jovem, ele pode fazer o que bem quiser: beber; freqüentar festas; manter relações sexuais; namoros impuros; mentir; usar a Internet de forma ímpia; praticar obras da carne (Gl 5.19-21; Cl 3.5,6) etc. Mas, faz um alerta muito sério: Será julgado por suas obras!

OS JOVENS QUE VIVEM EM PECADO
“O Salário (recompensa) do pecado é a morte...” Rm 6.23
O Pecado afasta por completo o homem do Deus vivo, e suas conseqüências são terríveis:
§ Pobre: Pv 21.17
§ Sem frutos: Lc 8.14
§ Presunçosos: Lc 12.19
§ Mortos espiritualmente: 1 Tm 5.6
§ Imundos: 2 Pe 2.13

JOVENS CHEIOS DO ESPÍRITO
A Bíblia traz o relato de inúmeros jovens que foram exemplos, padrões para seus dias.Estes foram segundo o coração do Senhor:
§ Samuel: 1Sm 2.26
§ Davi: 1Sm 17.33,37
§ Joás: 2Cr 24.1,2
§ Josias: 2 Cr 34.1-3
§ Timóteo: 2 Tm 1.5; 3.15
§ Jesus (era totalmente humano): Lc 2.49

JOVENS QUE DERAM LUGAR AO DIABO
Há também exemplos de jovens que foram ímpios. Estes foram contrários à vontade do Senhor e receberam em suas vidas o devido castigo:
§ Caim: Gn 4.8
§ Esaú: Gn 25.33,34
§ Filhos de Eli: 1 Sm 2.12
§ Filhos de Samuel: 1 Sm 8.3
§ Absalão: 2 Sm 15.6
§ Filho Pródigo: Lc 15.13

Caro Jovem, como tem sido sua vida com o Senhor? Tens comunhão? Amizade? Intimidade?
“Eram, porém, os filhos de Eli, filhos de belial, e não se importavam com o Senhor.” 1 Sm 2.12
Muitos têm vivido à semelhança dos filhos de Eli, desprovidos de qualquer compromisso com o Senhor, mesmo sendo membros e freqüentando assiduamente a igreja, alguns até envolvidos com as sociedades internas, em ministérios diversos e visto pelos homens como “bons crentes”. Mas, são considerados pelo Senhor como imundos e o que fazem não sobe como sacrifício agradável a Deus.
“Mas o jovem Samuel crescia em estatura e no favor do Senhor e dos homens.” 1 Sm 2.26
Jovens semelhantes a Samuel são agradáveis aos olhos do Senhor. São vidas que dizem não aos apelos desta terra corrompida pelo pecado, jovens que levantam-se contra as paixões imundas, os namoros impuros, e afastam-se de todas as formas de práticas contrárias à vontade do Eterno. Estes serão amados e chamados de “Jovem segundo o meu coração” pelo Senhor. Jovens, diz o Senhor: “Os passos do homem são dirigidos pelo Senhor; como, pois, poderá o homem entender o seu caminho?” Pv 20.24
Sejam santos e sensíveis à direção do Espírito de Deus e alcançarão a vitória.
Elias R. de Oliveira

Adoração Profética

Deus está restaurando a sua Igreja em todas as áreas, e também na adoração.

Visão e Atos Proféticos na Igreja


Deus está restaurando a sua Igreja em todas as áreas, e também na adoração. Está trazendo um mover na área profética através de uma música produzida no céu por gente que está ouvindo de Deus o que falar, o que cantar e o que fazer.
Muitos pensam que adoração profética tem a ver com um novo estilo, mas tem mais a ver com a total restauração de uma visão do que com estilos musicais e formas de tocar e cantar.
A profecia na Igreja deve sempre promover a glória de Deus edificando, exortando e consolando (1 Cor.14:3) . De modo que a visão profética, a adoração profética e o ministério profético têm que promover essas ênfases para estar de acordo com a Palavra.
Nos evangelhos, nós vemos Jesus profetizando, vemos os apóstolos profetizando e temos a ênfase no ministério profético junto com outros ministérios, que estão também sendo restaurados por Deus.
Vemos alguns atos proféticos sendo realizados e dando uma sólida base para que possamos ver como deve ser este ministério na Igreja, quando ele vem através de atos e manifestações, ou de uma Palavra ou cântico de louvor e adoração.
As manifestações e atos proféticos têm que ser bíblicos
A única fonte que a Igreja tem para guiar-se em tudo que faz é a Palavra de Deus. Às vezes, temos a tentação de realizar, falar ou cantar algo para o qual não encontramos base bíblica na Palavra de Deus. E, muitos agindo assim, dizem que o fazem na direção de Deus.
Mas, na verdade, quando não andamos de acordo com a Palavra, estamos andando por nós mesmos e não pela voz de Deus. A Palavra é fundamento sólido para o mover profético na Igreja. Toda prática mesmo que em parte vá de encontro com a Palavra de Deus é a base para heresia.
Todas as grandes heresias na história da Igreja tiveram seu início não com grandes distorções, mas com pequenas práticas não fundamentadas na Palavra. Tenho ouvido relatos e tenho presenciado reuniões em que pessoas rugem como animais selvagens, outras miam como gatos, outros latem como cães, outros voam como águias e outros pulam como bezerros.
Chamam isso de mover profético quando, na Palavra, vemos que é uma aberração para Deus, como diz em Romanos 1:22 e 23 – “Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos e mudaram a Glória de Deus incorruptível em semelhança da imagem de homens corruptível bem como de aves, quadrúpedes e répteis.”
E também em Isaías 35:8 e 9, falando sobre o caminho do Senhor, ele diz: “E ali haverá bom caminho, caminho que se chamará o Caminho Santo; o imundo não passará por ele, pois será somente para o seu povo, quem quer que por ele caminhe não errará, nem mesmo o louco, ali não haverá leão, animal feroz não passará por ele, nem se achará nele, mas os remidos andarão por ele.”
Se Deus quisesse que o homem agisse como animal, Ele o teria feito com tais capacidades. Mas Deus nos fez com lindas vozes para cantar, dar Glória a Deus e aleluia; nos fez com lágrimas, com mãos e pés com entendimento para discernirmos o que vem dEle e o que é modismo ou engano - e até mesmo doutrina de demônios.
As manifestações e atos proféticos têm que ser guiados pelo Espírito Santo.
Jesus disse que nos enviaria o seu Santo Espírito para nos ensinar todas as coisas e, principalmente, a nos guiar profeticamente. Em Romanos 8:14 diz que “todos os que são guiados pelo Espírito Santo, estes são filhos de Deus.” Paulo enfatiza em todo seu ensino o andar no Espírito, o viver uma vida em total submissão ao Espírito Santo.
Quero, entretanto, enfatizar algo sobre a presença do Espírito em nosso meio. Ele sempre caminha e age de acordo com a Palavra de Deus. Exemplo: Tenho ouvido a expressão “este espírito e este mover em minha vida ou esta reunião são incontroláveis.”
Porém, a Palavra fala que o espírito do profeta está sujeito ao profeta. De modo que Deus não traz nenhum mover que seja irracional. Pelo contrário, a Palavra fala que o verdadeiro culto a Deus passa por nossa razão (Romanos 12:1), porque em nossa razão e em nossa vontade é onde o Espírito Santo age e atua.
Quem gosta de fazer coisas irracionais é o diabo, que quer fazer com que homens e mulheres ajam como animais. Deus, porém, quer sempre fazer com que o homem se pareça com o Homem Perfeito que é Jesus, sempre guiado e controlado nas mínimas coisas pelo Espírito Santo.
O irracional e incontrolável não pode ser guiado, não sente as nuances da pomba que é o Espírito; o irracional não é sensível nem acessível por Deus e pelos irmãos; se torna voltado para si mesmo e não edifica ninguém e, dificilmente gera uma experiências perene com o Senhor.
As manifestações e atos proféticos têm de estar acompanhados e respaldados pelos outros ministérios instituídos por Deus na Igreja (Ef 4:11)
Deus não quer nenhum ministério solitário. Ele não quer ninguém se movendo apenas como membro e não como corpo, como indivíduo e não como família. Muitos dos profetas atuais têm a tendência de serem homens solitários, como foram os profetas do Antigo Testamento e o próprio João Batista.
Mas, na Igreja, é diferente. De acordo com Efésios 4:11 o ministério profético deve caminhar juntamente com os outros ministérios para edificação da Igreja. Mesmo quando fala do dom do Espírito de profetizar (1 Coríntios 12:10), ele está lá junto com outros dados também pelo Espírito a outras pessoas, ou até mesmo à mesma pessoa.
Quando fala em buscar com zelo os melhores dons, há uma ordem hierárquica dada por Deus no que diz respeito ao aproveitamento para o corpo. Fala que, em primeiro lugar, Deus deu pra apóstolos e, em segundo, para profetas.
Isso porque sabia o quanto muitos profetas têm a dificuldade de viver como corpo e querem ser membros isolados e, às vezes, incompreendidos. Quando, na verdade, o que Deus quer é que todos os ministérios caminhem juntos para a edificação de todo o corpo.
Os profetas têm de estar submissos às autoridades apostólicas constituídas na Igreja e precisam aprender a caminhar com elas, fazendo tudo para edificação em nível local e extra local.
O mover e a visão profética não devem enaltecer pessoas e práticas externas
O ministério profético tem que manter sua característica apostólica principal: existir unicamente para consolar, exortar e edificar (1 Coríntios 14:3). Qualquer prática ou ato profético que centralize ou enalteça pessoas estará absolutamente em desacordo com sua função bíblica.
Uma ênfase de todo ministério que vive para a Glória de Deus é não chamar a atenção sobre si, e sim sempre apontar para o Pai. Hoje se fala muito de práticas proféticas que enfatizam demasiadamente estereótipos externos, com base mais no ministério profético do Antigo Testamento do que naquele exercido e ensinado pelos apóstolos.
Com exceção de João Batista, que tinha uma maneira de vestir e comer bem diferente do comum da sua época - mas tinha sua pregação centrada no batismo e no arrependimento – e, na hora que apontou para Jesus, simplesmente disse que não era digno de desatar suas sandálias e saiu de cena até morrer por aquilo que pregava.
Hoje, o ministério profético tende a trazer uma aura de espiritualidade que mais chama a atenção para quem o pratica do que para Deus. Atualmente, temos pessoas enaltecendo instrumentos inanimados e até mesmo maneira de vestir-se e portar-se, que não enfatizam a realidade desse precioso ministério que é dado por Deus para edificação da Igreja.
Eu conheço alguns homens que são profetas em nossa geração com impacto mundial que nunca precisaram de estereótipos exteriores para manifestação poderosa da graça e glória de Deus sem precedentes. São homens que, na sua simplicidade mesmo sem Palavras, profetizam.

Asaph Borba
fonte: www igrejaemsaovicente.com.br
http://www.vivos.com.br/229.htm